23.5.12

Livro - A morte da Morte

O enigma – A morte do homem

A tradição secular dos pais até os nossos dias, ensina que o ser humano está aqui nesta terra de passagem. E os filhos, o que pensam sobre isso, ou não pensam? Mas quem está de passagem, é porque saiu de um lugar e vai para outro, ou não? Será que vivemos num casulo? Comparando-nos com a transformação da borboleta: ela é uma lagarta, passa um longo período no casulo e finalmente vive borboleta. Transformação total em que podemos simbolizar de onde viemos e para onde vamos, isto é, seremos muito mais felizes no futuro, que é o último estágio o da borboleta.
Em uma abordagem sociocultural, o conceito de morte interessa a todas as áreas de estudos por mais diversas que sejam: ciências biológicas, jurídicas, sociais, religião, filosofia, medicina, antropologia e psicologia, esses inquietantes profissionais nunca pararam de estudar a respeito da morte, cada um na sua abordagem de interesse.
Esta obra descreve as etapas que levam o homem ao seu estágio de sua quase morte, morte e/ou pós-morte.
O luto é universal. Todos os povos convivem com ele, principalmente os que vivem em constantes guerras.
No México, país muito católico, existe uma santa chamada a Santa Morte que é cultuada e adorada, como qualquer outro santo designado pela Igreja Católica, a mesma carrega em uma de suas mãos o globo terrestre e na outra a sua gadanha (foice), ninguém pode derrotá-la, declaram seus fiéis adoradores.
Existem museus da morte, suas principais construções estão no México, na Tailândia e na Itália, o que eles têm a revelar sobre a velha morte?
Grandes vultos consagrados da sociedade, registraram ao longo do tempo as famosas frases sobre a morte.

O mistério – A morte da Morte

Afinal, o ser humano está aqui apenas de passagem? Este livro aponta que quem está de passagem aqui neste mundo é a miserável morte, pode parecer estranho, mas a morte irá morrer, ela está na agenda e no calendário de Deus, sua hora se aproxima!
Não poderia existir a história da morte sem a existência humana, ela depende do homem para ser chamada de Morte. Cada morto faz parte da história do mundo.
A terra é um presente de Deus, entregue aos seus filhos amados. Tudo o que Deus faz é com amor. Desde o primeiro casal e todas as coisas criadas foram feitas e abençoadas com muito amor pela mão do Criador.
No dia em que o pecado entrou no mundo, por intermédio de um homem, Adão, a morte aproveitou-se da oportunidade e passou a todos os homens.
O amor a Deus, a obediência a Sua palavra enviada aos profetas e o cumprimento da Lei mosaica seria a tentativa de Deus libertar o homem da morte. Mas o coração do homem não compreendeu isso há tempo e matou cada profeta enviado; foi advertido pela Lei, o Antigo Testamento aponta para este fato. E, pior que isso, não amou a Deus não O obedeceu, não O enxergou, o homem permaneceu perdido e morto e a morte continuou a passar…
E como última tentativa de amor pelo homem e desprezo da morte, Ele envia o Cristo para o Calvário para resgate de muitos, a Vida e a Morte se encontram, o Amor e o Ódio se deparam o Bem e o Mal se encaram, a Luz e as Trevas se percebem, a Benção e a Maldição apenas um permanecerá!
O Novo Testamento revela o Senhor ensanguentado e morto na sangrenta cruz, resultado, houve uma mudança na morte à fé declara isto, pois, Cristo ressuscitou dentre os mortos, a morte foi zombada, um povo foi chamado e livre está da morte, o cativeiro foi removido, à chave da morte está nas mãos do Vencedor da morte; a morte foi morta com a própria morte de Cristo e agora está ameaçada, pois, o horror eterno do lago de fogo registrado no Apocalipse com a máxima certeza lhe aguarda!

Morte, donde vens? Para onde vais? A Letra mata?

Sua passagem pela Bíblia tem início, meio e fim.
Na Lei – A morte reinou desde Adão até Moisés, seu reinado estende-se desde o livro de Gênesis até o profeta Malaquias, o último livro da Lei (Rm 5:14).
Nos Evangelhos A morte foi vencida na própria morte de Jesus no alto da sangrenta cruz (Mc 15:37; Mc 16:9).
Nos Atos – A morte foi denunciada pela Igreja Primitiva (esta fora insistentemente perseguida pelos romanos), a alma de Cristo não foi deixada na morte, nem no esquecimento (At 2:31b).
Nas Epístolas – A morte será tragada (devorada) no momento exato do arrebatamento da igreja do Senhor (I Co 15:54b).
No Apocalipse – A morte será lançada no lago de fogo que arde e completamente destruída para sempre. (Ap 20:14) … e não haverá mais morte (Ap 21: 4a).
Wagner Lopes

Wagner Lopes é pastor evangélico da Assembleia de Deus – Vitória em Cristo – no Rio de Janeiro.

Formado em Teologia pela Escola de Preparação de Obreiros Evangélicos (EPOE).
Pregador do Evangelho, há duas décadas.
Foi secretário adjunto da CONFRADERJ.
Foi vice-presidente da Assembleia de Deus em Natal – RN.
Fundou a Escola Preparatória de Obreiros Cristãos no RJ (EPOC).
Foi Professor dos Evangelhos e Geografia Bíblica.
Autor dos livros religiosos: O Umbigo de Adão; A Bíblia, o Livro do Brasil; 40 dias de Adrenalina; A Bíblia Agrada a Pequenos e Grandes; A Bíblia …no Pincípio.
Autor dos livros infanto juvenil: Pedra da Onça; Sonho de Televisão; A Barca; Praça do Avião; Juntos & Misturados.
Autor e narrador do audiolivro Bíblia Sonora, versão ACF, da Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil (SBTB).
Dedica tempo integral na obra bíblica eclesiástica.
Postar um comentário